Justiça para Simone

 capasimnosimoneHá 15 anos, Simone Maldonado foi covardemente assassinada com 7 tiros, por seu marido e pai de seus filhos, após uma discussão, dentro do quarto do casal, ela já deitada na cama. A arma foi um revólver calibre 32,  três tiros atingiram o queixo e quatro o estômago da vítima. Simone teve morte instantânea. Na casa estavam os filhos sendo que a mais velha tinha apenas13 anos e não ouviu os disparos, pois o assassino – o  médico  Luís Henrique Semeghini – colocou um travesseiro entre a vítima e a arma para abafar o ruído dos tiros.  Semeghini continua impune até hoje graças a brechas da Justiça que o dinheiro pode pagar através de advogados caros. Finalmente, foi marcado, pela 2ª Vara Criminal de Fernandópolis, para o dia 28 de agosto próximo o julgamento de  Luís Henrique Semeghini.  Este será o segundo julgamento de Semeghini, já que o primeiro, em 2008, quando foi condenado a 16 anos de prisão, foi anulado pelo Tribunal de Justiça (TJ) devido a uma falha técnica da ata de julgamento, que contabilizou erroneamente os votos dos jurados.

Não vamos deixar que mais um crime covarde contra as mulheres, fruto do machismo dominante, fique impune!!! Vamos fazer pressão!

Leiam, abaixo, a carta do irmão de Simone!

 

 

Julgamento de Luís Henrique Semeghini. A ocorrer em 28/08/2015 (6ª feira próxima),as 8h,em Fernandópolis/SP.

Meu nome é Helio Maldonado Filho.

Na madrugada de 15 de Outubro de 2000, minha irmã, Simone Maldonado, foi covarde e barbaramente assassinada pelo marido, o médico Luís Henrique Semeghini, porque ela estava decidida a terminar o casamento.

O crime ocorreu na residência do casal, em Fernandópolis/SP, distando 110 km de São José do Rio Preto. Ela foi morta com 7 tiros, 4 dos quais quando ela já estava agonizante, desfalecida, caída no chão. Deixou 3 filhos e estava com 36 anos. Era uma pessoa doce, carinhosa; tinha a vida pela frente. Apesar de ter ocorrido há 15 anos, este crime segue impune.

Contando com recursos materiais de monta e advogados hábeis (Dr Alberto Toron), Semeghini vem manipulando, explorando os meandros de nosso processo penal, comprando tempo e liberdade, esquivando-se de seu encontro com a justiça. Foi levado a júri popular em Out/08, quando foi condenado a mais de 16 anos de prisão. Recorreu da sentença e, devido a um erro de digitação no acórdão do julgamento, conseguiu a anulação daquele júri pelo Tribunal de Justiça. O falecido jurista Marcio Thomas Bastos, que havia sido  contratado como assistente de acusação, comentou sobre este caso em uma entrevista no Programa do Jô, na Rede Globo.

Durante este tempo, Luís Henrique Semeghini casou-se novamente e leva sua vida como se nada houvesse acontecido. Desta forma, além da perda, tem-se também a dor provocada pela impunidade, esta doença endêmica que corrói nosso país. É quase impossível descrever a frustração que se experimenta quando se depende de nosso processo legal para a reparação de um mal que lhe foi feito, ou a punição de um criminoso confesso.

Não se imagina como é constrangedor, humilhante mesmo, encontrar um criminoso como este no dia a dia de uma comunidade. Não se imagina a sensação de impotência que se tem ao encontrá-lo, frente a frente, num supermercado, numa loja, num posto de gasolina…

Enfim, um novo julgamento foi marcado para 28 de Agosto próximo, no fórum de Fernandópolis/SP, com início previsto para as 08:00 horas.

Venho aqui fazer esse desabafo buscando sua ajuda para a divulgação deste caso porque, infelizmente, me parece que se não houver exposição intensa as chances de fazer com que este criminoso responda por seus atos são mínimas.

No meu entender, este assassino precisa ser justa e corretamente punido para evitar que crimes como este continuem a ocorrer e se repetir. Embora a dor seja da família, a impunidade é uma ofensa e um problema de toda a sociedade.

Obrigado pela sua atenção

 

Helio Maldonado Filho

17 99621 7426    hmaldonadofilho@yahoo.com

 

 

 

 

2 comentários sobre “Justiça para Simone

  1. Mora no bairro de Irajá e quase toda noite o meu vizinho agredi sua mulher. Acho que virou pouca vergonha, que no dia seguinte parece que nada aconteceu, porém minha preocupação maior que tem uma criança de aproximadamente 3 anos,que assiste isso todas as vezes. Sem contar que tira minha paz, tenho medo dele acabar matando essa mulher, isso não é normal. Já fiz reclamações para policia mais nada acontece.

  2. Delaman, aconselho você a ligar para o 180 e explicar o caso. Qualquer um pode denunciar e ficar anônimo. A ligação é gratuita. Você ´conta o que acontece e dá o local.
    As atendentes devem providenciar a assistência. Ou, então, procure uma Delegacia da Mulher (DEAM) e fale – de preferência – com uma delegada mulher. Ajude uma mulher a se livrar – quem sabe – de uma tragédia.
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>